Voltando ao trabalho após a licença maternidade Dicas para organizar um chá de bebê Livros de colorir para adultos Como aproveitar cada centímetro da cozinha 8 meses de Catarina na minha vida!

quarta-feira, 11 de maio de 2016

Minha cafeteira expresso

Quem freqüenta o blog sabe que eu já vinha sonhando com uma cafeteira expresso a um tempão, mas ainda estava indecisa quanto à marca (sou a pessoa mais indecisa do mundo!). Mas aí o maridão atropelou minha indecisão e me deu a Tres, e olha, pense num amor à primeira vista!


Eu adoro café mas morro de preguiça de fazer. Aqui em casa somos só meu marido, eu e a neném, então tem pouca gente que toma e pra mim só faz sentido usar a cafeteira normal (e sujar aquela vasilha de vidro, gastar filtro e tal) se for pra deixar uma boa quantidade na garrafa pra ir tomando de vez em quando. Mas como passo o dia fora não vai ser nove horas da noite que vou fazer isso, né! Então a cafeteira expresso é perfeita pro meu caso porque é só jogar a cápsula, apertar o botãozinho e pronto! Mais prático e rápido, impossível.

Pra quem curte uma cor na cozinha a Tres tem sete cores diferentes pra gente escolher. A minha é a branca, o que eu amei porque combinou bem com o espaço que eu tenho (branco é neutro né, combina com tudo), então ficou super elegante. Minha cozinha é berinjela e lilás e cheia de fofurices então a rosa combinaria também, mas ficaria “Barbie” demais, rs. Ainda bem que meu amor teve o bom senso de me dar a branca!
Minha cafeteira veio com um kit de cápsulas com um sabor de cada um dos diferentes cafés, chás e chocolates que a Très oferece (ah sim, esqueci de mencionar que essa é uma grande vantagem em relação à Nespresso, apesar de ter menos opções de café a Tres tem alguns sabores de chás e chocolates, todos ótimos). Meu kit também veio com duas xícaras com um formato interno de coração, uma de 50 ml e outra de 150 ml, lindinhas. Infelizmente minha xícara menorzinha já quebrou (é um vidrinho beeem frágil). Tô cuidando com o maior carinho a outra pra ver se dura mais, hehe.
Pra quem ta curioso são esses os sabores das cápsulas:
ESPRESSOS:  Expresso Atento, Expresso Vibrante, Expresso Supremo, Expresso Pleno, Expresso Ameno, Expresso Decaf e Expresso Cerrado Mineiro
FILTRADOS: Filtrado Clássico e Filtrado Gourmet
CHÁS: Chá de Erva Doce, Chá Preto, Chá de Camomila, Chá de Capim Cidreira e Chá de Hortelã
BEBIDAS QUENTES: Chocolatto, Chocolatto Caramelo, Chai Latte e Café com Leite
CAPPUCCINOS:  Cappuccino Classic
Meus sabores preferidos são o Capuccino Classic, os chocolattos (o de caramelo é perfeito!) e o Expresso Vibrante (que é bem forte, tomo quando quero ficar acordada até tarde vendo meus filmes e seriados, rs). Acho que poderia ter mais opções de cappuccino mas apesar disso amo minha cafeteira. Por todos os benefícios que ela tem e por atender perfeitamente às minhas necessidades diria que ela passou no teste com louvor!

domingo, 8 de maio de 2016

Ser mãe é minha maior felicidade

Minha Catarina...

Minha vida começou de verdade quando você nasceu. Olhar pro seu rostinho pela primeira vez foi como olhar o paraíso por uma janela e ter um vislumbre de Deus e tudo, absolutamente tudo do que eu fui ou fiz na vida perde a relevância diante da bênção indescritível que é poder ser sua mãe.


Eu sempre te amei, mesmo antes de você existir. No fundo da minha alma eu sabia que Deus tinha me feito com um propósito, eu sabia que um dia uma luz brilharia pra mim e me mostraria o caminho. E você veio como um sol, veio pra realizar o meu maior sonho, anjo lindo e perfeito em todos os sentidos.

Cuidar de você e te ver crescer é minha maior realização. Você não tem idéia de quantas vezes me pego admirando seu rostinho inocente, seu olhar doce, suas formas pequeninas de bebê. Você é tão delicada! Como pode um serzinho tão pequeno e já tão cheio de vontades e de personalidade? É ainda um bebê mas já gosta de dançar, gosta de desenhos musicais (alguns você até já canta junto), gosta de brincar na cadeirinha de amamentação com um monte de bonecas e bichinhos de pelúcia, de brincar de subir e descer as escadas do condomínio (muito mais do que de brincar no parquinho), de folhear seus livrinhos, balançar seus cachinhos, fazer bagunça na banheira, espalhar comida pelo sofá, apertar todos os botões do elevador... Minha menininha tão brincalhona e carinhosa!

E é tão frágil! Por isso estou sempre preocupada se você está alimentada, contando as colheradas, pensando se dormiu direito ou sentiu frio à noite (desculpe por muitas vezes possivelmente te agasalhar mais do que o necessário), ou se aquele enjôozinho ou manha não siginifica uma doença. Vivo aparando suas quedas, evitando que você se machuque e fazendo de tudo pra que não se magoe mas sei que o mundo é grande demais e que você vai crescer e viver muitas experiências ainda. Só peço a Deus que me permita estar por perto pra te proteger o máximo que puder e ter sempre as palavras certas pra te dizer.

Amarei minha Catarina sempre e sempre. Incondicionalmente.

sexta-feira, 29 de abril de 2016

Os cabelos estranhos da Kylie Jenner

Que a mais nova do clã Kardashian-Jenner é a bola da vez, todo mundo já sabe: é a garota sexy do momento, seus looks e maquiagem bombam nas redes sociais e tentar copiar seu bocão virou obsessão de quase toda a mulherada. Pessoalmente tenho minhas reservas com ela - a acho linda, claro - mas preferia mil vezes antes das intervenções. Sei lá, olhar pra tudo aquilo, aquele exagero de maquiagem, o silicone, o botox, o bronzeamento artificial... Ela parece querer envelhecer antes do tempo. É muita coisa acontecendo no visual de quem só tem 18 anos é naturalmente bela e tem todo o frescor da juventude a seu favor.

Anyway, mas vamos ao porquê do post: nossa amiga começou num gol de placa num dos primeiros cabelos coloridos que ela ostentou, aquelas californianas maravilhosas. E depois que ela jogou um toque esverdeado então, aí ficou show. Era suave, charmoso, tudo de bom. É fato que as celebs trocam de cabelo como quem troca de roupa, tanto que num dia estão com eles curtos e naturais e no dia seguinte aparecem longuíssimos e coloridos pra na outra semana já estarem diferentes de novo. A gente sabe que boa parte deles nem cabelo é, são perucas, extensões. Mas as vezes é quase impossível saber o que é cabelo de verdade e  que não é, e acho que pra quem empresta seu nome a uma linha de hair extensions, seria interessante ela calcular melhor certas cores que usa em público...


Mas depois a bicha começou a apostar em algumas cores meio duvidosas e de uns tempos pra cá tá só ladeira abaixo.

Verde sabonete:


Poucas vezes eu vi um tom de cabelo combinar tão pouco com uma pessoa quanto esse tom medonho de verde-balinha-de-menta. Não ornou com ela, ta brigando com o tom de pele... Simplesmente horroroso! E olha que recentemente ela apareceu com um verde mais “Ben10” (tipo verde bandeira) que também não deu muito certo, mas pelo menos não foi esse desatre aí. É Kylie, acho que verde não é pra você. Talvez se o cabelo tivesse mais curto num corte mais estruturado funcionasse melhor, mas nesse cabelão reto de Madalena arrependida...

Rosa pequeno pônei:


Tá aí outra cor que acho lindíssima, mas na Kylie não rolou, não combina com esse tom de bronzeamento artificial meio alaranjado que ela tem. E a cor tá morta, opaca, total e completamente desprovida de brilho. Dessa vez o corte até tentou ajudar mas quanto mais ela testa cores no cabelo, mais ele fica espigado. Daqui a pouco vai estar parecendo mais seco que charque velho esquecido no varal.

Amarelo Joelma:


Esse aí é até desculpável: que mulher, em algum momento da vida, não experimenta um loirão “só pra ver cuméqui fica?” Mas eu, particularmente já não tinha gostado quando a Kim Kardashian usou e não gostei na kaçula do klã. Ainda mais um loiro tão amarelo, nessa cor de ovo que fica o cabelo que levou oxigenada mas ainda não foi tonalizado. É um tom paupérrimo de pó descolorante Yamá que não fica bem em absolutamente ninguém. Pelo menos o loiro da Kim era mais polido e não tinha essa raizona preta berrando socorro.

Laranja Ki-suco:


O laranja foi o que mais combinou com o tom de bronze terracota que ela vem ostentando na pele ultimamente, mas em contrapartida é a cor fantasia mais difícil de sustentar, pois é muito berrante e difícil de complementar com as roupas do dia a dia. Meninas coloridas não me deixam mentir, a maioria, senão todas, sentem uma diminuição drástica nas opções do guarda roupa quando ostentam um cabelo laranja bombeiro. É o que menos ficou feio, na minha opinião.  Pelo menos não dá aquela agonia, aquele “ai, que vontade de arrancar essa peruca!”

sexta-feira, 22 de abril de 2016

Uma fofura da realeza!

Vocês viram a foto mais recente da monarquia britânica para um selo real? Essa aqui ó:


Poderíamos prestar atenção na rycah mobília dourada , nos afrescos nas paredes, na pose desconfortável e recatadíssima da rainha, nas entradas do príncipe William cada vez maiores... Mas quem consegue? Com essa coisinha bochechudinha risonha que é esse bonequinho do príncipe George roubando a cena? Não aguento, não sei lidar com tanta fofurice! 

Eu adoro olhar fotos de filhos de celebridades, gosto de xeretar se estão ficando parecidos com os pais, que roupinhas e sapatinhos estão usando, se são tímidos ou divos... A Suri Cruise, por exemplo, eu meio que "sigo" desde que nasceu! Difícil uma filha de celeb mais gracinha, fashion e charmosa que ela. E vocês já viram fotos do Kingston Rossdale, filho da Gwen Stefani? O moleque é puro estilo! E a Shiloh, filha da Angelina Jolie e seu figurino de menininho? 

Mas se tem uma criança que ganha meu coração em cada foto que vejo é o príncipe George. Ô mininu lindu! (ler com voz de Tiririca, rs). Prontos pra vomitar arco íris?

É tão divo que usa rosa e não tá nem aí pro que os outros vão falar (;P)

Um combo de fofurice e meinhas 3/4 S2

Dizem que essas fotos fizeram disparar as vendas de Crocs nos EUA!

Mais inglesinho impossível!

Já chegou o disco voador

Sabiam que ele estuda numa escola montessoriana?

A expressão tranquila de quem nunca vai ouvir um "na volta a gente compra"

Pra finalizar, princesinha Charlotte (que é tão fofinha quanto!). Páreo duro, hein? 



terça-feira, 19 de abril de 2016

O uniforme do Coachella

Se você também curte ficar peruando as celebridades e/ou blogueiras no Instagram já viu que estão todas batendo cartão no Coachella (aquele festival de música e arte que rola na Califórnia cheio de artistas com nomes esquisitos. Evento obrigatório da galera descolê e com grana pra encarar uma viagem aos States com o dólar nas alturas). Não tem jeito, não consigo passar incólume pelas intermináveis selfies exalando felicidade por todos os poros, então fico aqui pelas minhas bandas mesmo tentando captar pra mim um pouco dessa alegria toda e admirando os looks do povo no insta.

Mas olha, confesso que não espero muita inovação em termos de look quando ouço a palavra "Coachella", na verdade já me vêm à mente uma profusão de estilo boho, chapéus de aba longa, botas, headbands, shorts, tops, franjas, tricô... E basta olhar as fotos das celebs pras minhas suspeitas se confirmarem: estão todos lá, os clichês. A vibe anos 70. O uniforme.

Que tédio, gente. Todo ano é a mesma coisa, parece que saiu todo mundo da mesma linha de produção na fábrica! Não é que esse estilo não seja legal, é legal, é bonito e talz mas a mesmice me incomoda um pouco. Parece dress code, parece que se você escolher, sei lá, uma blusa normal e um jeans vão te olhar assim:


Frequentei shows de rock e heavy metal por muitos anos e o uniforme da galera era aquele clichê: roupa preta, coturnos, preto, spikes, preto, rebites, preto, caveiras, preto e claro, muito preto. Lógico que não achava o supro sumo da criatividade, mas pra mim, naquele contesto, fazia e ainda faz sentido. Era uma tribo, afinal, e se eu for descorrer sobre o porquê da estética do roqueiro ser essa esse post vai virar uma monografia. Mas sempre imaginei que em outras paragens mais pops esse lance de uniforme não rolasse muito. É, mas parece que não é bem assim. 

Mas talvez isso não seja mesmo nenhum problema. Talvez estejamos todos precisando mesmo de um sopro de criatividade, pra variar. E talvez eu ainda vá num Coachella e sinta vontade de me misturar, por que não? Com direito a bota country, coroa de flores e tudo o mais.

Afinal, não é porque a gente não está lacrando no Coachella que vai deslacrar os lacradores!

segunda-feira, 18 de abril de 2016

Eu testei: Hidratante de banho Sève, da Natura

Eu não sou exatamente uma fã de hidratantes. Acho que se tem um produto de beleza que eu dispenso fácil é hidratante, pois minha pele é oleosa, já é "naturalmente hidratada", nem meus joelhos ou cotovelos costumam ressecar, então realmente não sinto falta (paradoxalmente já ganhei uns trocentros hidratantes de presente, sempre tento usar mas em pouco tempo acabam encostados em um canto, tadinhos).

Mas estava eu um dia folheando um catálogo da Natura (todo mundo tem pelo menos uma conhecida que vende Natura, né?) que vi os tais óleos corporais hidratates de banho e fiquei curiosa. Afinal, apesar de não precisar de hidratante (e ter preguiça de passar) eu aprecio a maciez que fica depois e, claro, o cheirinho gostoso. A idéia de aproveitar que já estou no ritual do banho e incluir a hidratação parecia mais fácil de incorporar à minha rotina do que sair do banho e só depois me empastelar de hidratante. Talvez fosse a minha solução então perguntei qual era o mais cheiroso do catálogo (na verdade minhas palavras foram: qual que deixa a gente com cheiro mais sensual, tipo, pra deixar marido doido? rsrs).

A reposta:


O que diz o fabricante no site:

Natura Sève é a linha de óleos corporais, 100% vegetais, que proporcionam toque aveludado e perfumação à pele. Na versão Amêndoas Doces Intensa, sua pele recebe um toque especial, feito com notas modernas e intensas. O resultado é surpreendente: uma textura que promove a intimidade com o corpo, e faz aflorar a sua beleza e feminilidade.
No dia que chegou eu já fui testar pra ver logo de qualé. Eu não estava botando muita fé não, achei sinceramente que ficaria com sensação de pele engordurada, sabe? Essa minha amiga que vende Natura já tinha me dado o bizu: "depois do banho normal passa o produto pelo corpo todo, dá aquela esfregadinha básica e se molha, não é pra tirar tudo, só entra embaixo do chuveiro pra tirar o grosso e sai de baixo antes que saia tudo. na hora de secar, não esfrega a toalha, só aperta ela sobre o corpo".
Saí do banho outra pessoa, com a pele bem macia mas sem aquela sensação nojentinha de"sebosidade" que a maioria dos hidratantes deixa. E o cheiro foi o que mais me surpreendeu positivamente, uma delícia mesmo, cheiro de rycah! Adorei e agora é raro o dia que eu não uso, o que me leva a mais uma vantagem do produto: o bicho rende muito! Numa escala de 0 a 10 eu dou 10 sem medo de ser feliz.

P.S: Esse não foi um post patrocinado.

domingo, 17 de abril de 2016

Eu e a Zumba

Morar num condomínio tem suas vantagens. Aqui no meu tem uma mulherada bem ativa que adora arrumar atividade pros moradores fazerem, organizam festas, encontros de maquiagem, esse tipo de coisa. Até aula gourmet pra aprender a fazer risotos já rolou por aqui. Uma das primeiras coisas que inventaram foi de chamar um professor de zumba pra dar aula no condomínio e eu, que ainda não conhecia viv'alma no prédio e estava querendo mesmo perder uns quilinhos encontrei a desculpa perfeita pra socializar e de quebra, sair do sedentarismo.

Até então a única coisa que eu sabia sobre zumba era o que via nas propagandas da Polishop. Ficava pensando se teria que arranjar maracas tonificadoras pra participar da aula, rs. Pra uma pessoa como eu, que não consigo dar certo com academia (acho um tédio ter que fazer aquelas sequencias repetitivas e suadas, fora o cansaço, fico pra morrer) parecia uma excelente idéia fazer uma atividade que prometia emagrecer dançando. E eu me empolguei: comprei um monte de roupa de ginástica, lavei aquele tênis anti impacto que estava escondido no fundo da sapateira largado há anos-luz, e  fui lá zumbar.

Antes de seguir só queria frisar o seguinte: cada aula é diferente, cada professor tem seu método, e o resultado de qualquer coisa que você faz depende muito de seu esforço pessoal e seu comprometimento, então, antes que alguém diga "Ah, nada a ver, nem é assim" ou alguém por aí que esteja afim de fazer zumba pense em desistir por causa do que eu vou contar, lembrem-se por favor que essa foi a MINHA experiência.

Fora uma tentativa bastante mal sucedida de fazer academia há uns 4 anos ( que terminou comigo pedindo meu dinheiro de volta no terceiro dia) e uma corridinha no parque perto de casa à guisa de cooper (que eu tinha que alternar com caminhada toda hora, hiperventilando que nem uma condenada) fazia um tempão que eu não praticava exercícios. Então a sedentária aqui esperava que o professor fizesse um aquecimento antes, um alongamento, algo assim, mas que nada, o bicho já chegou ligando o som no último, mandando o reggaeton e rebolando e dançando sinistro. A gente que tentasse acompanhar!

Dançar é gostoso demais, é divertido, dá felicidade. Achei as músicas da zumba animadas, e no primeiro dia curti muito mas achei pesado demais, cansativo demais pra mim que vinha sem me exercitar a tanto tempo. Tinha gente de tudo quanto era idade e achei que a coisa foi jogada muito assim tipo "faz o quanto você dá conta", me pareceu meio sem método. Pra mim ficou claro que não era a aula mais adequada pra perder medidas, pelo menos não em regiões específicas como eu queria e sim, algo mais útil pra um condicionamento geral. Eu não queria só dançar, queria perder pança, então dei tudo de mim, tava me sentindo a Pugliesi. Não preciso nem dizer que no dia seguinte estava só a capa do Batman. Nas outras aulas eu tentei pegar um pouco mais leve, mas ainda assim tentei fazer toda a coreografia e talz, fazer tudo direto. 

O problema é que depois de uns dois meses eu comecei a faltar demais. Eu tinha que sair do trabalho, pegar um engarrafamento monstro até em casa, dar de mamar pra Catarina, fazê-la dormir e só então me arrumar pra ir pra aula de zumba, e muitas vezes simplesmente não dava tempo. Confesso que teve dias que eu simplesmente desisti pois estava tão cansada depois de um dia cheio no trampo que tudo o que eu queria era me largar no sofá. Acabou que de duas vezes na semana passei a ir duas a três vezes por mês.

Então começaram as dores. Sentia como se tivesse distendido o músculo da perna na região da canela, doía dia e noite, dava umas fisgadas, bem desagradável mesmo. Qualquer impacto durante a aula já me deixava fora de combate. As semanas iam passando e essas dores na perna continuavam. Então eu vi que do jeito que eu estava fazendo a zumba eu só estava me ferrando e gastando dinheiro à toa, então desisti. Fiquei chateada de sair, pra mim que passo o dia trabalhando sentada diante de um computador, era minha oportunidade de "me mexer" e fazer o social básico com a vizinhança, mas como todo exercício, você tem que fazer a sério, tem que ser algo constante senão não adianta nada, você acaba se prejudicando mais do que se ajudando.

O lance é aquele, fazer as coisas dentro das tuas possibilidades. Ainda não consegui incorporar uma rotina de exercícios na minha vida mas mudei alguns hábitos. Acho que, dentro da medida do possível fazer alguns ajustes (como caminhar ao invés de ir de carro ou subir as escadas ao invés de pegar o elevador) já fazem lá sua contribuição pra sair do sedentarismo. O importante é se cuidar.


Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...